quarta-feira, 4 de março de 2009

CRONICANDO: LIVROS À MANCHEIA!


Eu não sei se todo mundo é assim, mas, cada fase vai ficando com a cara dos eventos mais legais (eventos, realizações, conquistas – em todos os sentidos – viagens) ou dos mais “cotchados” (mais tristes, frustrantes, complicados).
Pra mim é assim e pra mim os livros que li naquele ano marcam e deixam as lembranças e as emoções daquele período fortemente associadas a essas obras. Há... mas isso rola com os filmes também. Se eles são muito bons. É verdade, mas como hoje o João está aqui pra falar disso eu queria transformar a crônica em uma pequena resenha com dicas de leitura pra o verão que está chegando. Nem vou tratar das obras historiográficas, pois, só interessam mesmo a nós discícpulos da Deusa Clio e do Mestre Heródoto. Vamos pra os de ficção e não-ficção.
Vamos lá:
Comecei o ano passado lendo um livro chatíssimo, daqueles que você começa a ler porque está todo mundo comentando e só continua a ler pra poder criticar depois com referência.
“Quando Nietzsche Chorou”. O romance de estréia de Irvin Yalom, psicoterapeuta e professor de psiquiatria na Universidade de Stanford, combina personagens reais da Europa do fim do século XIX com ficção. Trata do encontro entre Nietzsche, Freud e Josef Bauer. Um porre histórico mesmo!

Aproveitei o embalo e completei a série Afeganistão que tinha começa com o maravilhoso “Caçador de Pipas” um deleite de literatura bem construída que deixa o filme no chulé. Olha, pra que gostou do Caçador, não deixe de ler “Cidade do Sol”, que consegue ser melhor que o anterior. O Khaled Hussein chegou e se instalou como nome definitivo no cenário editorial mundial. Aguardo ansioso pra desfrutar os próximos trabalhos do cara.


“Mulheres de Cabul”, Harriet Logan e “O Livreiro de Cabul” de Asne Sierstad nem chegam perto embora sejam apenas bons pra contextualizar a Guerra e a situação política do Afeganistão.

Aliás “O Livreiro de Cabul” gerou a maior polêmica pois a jornalista ficou hospedada na casa do tal livreiro e depois saiu detonando o cara. Vou falar a verdade além de ser uma falta de educação e oportunismo gerou ainda um processo e uma resposta agressiva pela mesma via literária: o cara escreveu “Eu Sou o Livreiro de Cabul”. Aliás o cara se chama Shah Muhammad Rais transformou a acusadora em acusada. A verdade sobre os dois livros: Um horror!

Mas vamos falar de literatura de verdade. No final do verão passado li “A Menina Que Roubava Livros”. Um primor que chega às raias da obra prima. Fabuloso pela idéia, pelo momento histórico – II Guerra Mundial – e pela narrativa. Bom.... Muito bom. Leia... leia... leia.
Parabéns ao australiano Markus Zusak. A história da menina Liesel Meminger e sua convivência – real mesmo – com a morte no tenebroso período dos anos 40 do século passado é genial e comovente. Um show!

Outro livro emocionante foi “Inácio de Antióquia” presente da moçada da JENA. O livro tem umas quinhentas assinaturas e dedicatórias (exagerado!) e narra os episódios históricos do cristianismo primitivo. É uma psicografia do médium Geraldo Lemos Neto. Indico a todos os apaixonados pelo assunto.

Passei também pela vida do Mago Michael Jackson na obra biográfica não autorizada intitulada “Michael Jackson – a magia e a loucura” de J. Randy Taraborelli. Gosto demais de biografias. Não sei se gostam mas essa é fantástica. Livro pra ler em um fôlego. Presente da amiga Bruna. Valeu mesmo!

No campo das crônicas quero indicar dois:
Primeiro: “Porno Política – Paixões Taras na Vida Brasileira” do Arnaldo Jabor. Calma que não é sobre “osadia”. Tem um pouco mas, o livro trata de outras coisas também. Depois do estrondoso sucesso de Amor É Prosa, Sexo É Poesia - livro que já vendeu mais de 200 mil exemplares - Arnaldo Jabor apresenta Pornopolítica - uma nova coletânea de crônicas em que temas públicos misturam-se ao universo de nossas fixações interiores. Política, sexualidade, miséria, arte, memória, medo - ao usar o cotidiano como matéria-prima de seus textos, Jabor associa fato e ficção, revelando paixões e taras que talvez preferíssemos ocultar.
Outro de crônicas:
“O Aspite” de Ziraldo que nesse livro assina Ziraldo Alves Pinto. O assessor de palpites. Bom pra Caramba. Com seu bom humor e otimismo de sempre, o escritor exerce sua função de aspite, assessor de palpite, mostrando a cada página que no mundo há um jeito pra tudo. E para o Brasil também. Uma delícia.

Mas, o livro do ano foi minha releitura de “O Mundo de Sofia” de Jostein Gaarder.
Fabuloso!!!
Um passeio monumental pela história da filosofia. Daqueles de chorar no final. Não tenha medo das quase seiscentas páginas. Se jogue e não se arrependa. Um livro único!
Se você é como eu e lê vários ao mesmo tempo esse é um livro pra ir com calma acompanhando outras leitura.
Por falar nisso concluí o intrigante “A Cabana” de Willian Young. Embora o livro pareça uma pregação teológica em algum momentos, vale a pena pela mensagem de redenção e superação.

Estou lendo saborosamente um escritor espanhol chamado Carlos Ruiz Zafón ("A Sombra do Vento") e adorando. Até já comprei o próximo livro dele - "O Jogo do Anjo" - pra emendar nesse. Leio também “Mudando para Melhor” do amigo Kau Mascarenhas e recomeço uma viagem fantástica de com “Paulo e Estevão”, mais uma pérola de Chico Xavier com sua parceria transcendental com Emmanuel. Uma poesia!

E pra terminar, outro poeta: “Livros... Livros à mancheia e manda o povo pensar”.
Saudações ao mestre Castro Alves.


Dito e feito, vamos circular.
Ricardo Carvalho

5 comentários:

Bia Monteiro disse...

Oi Ricardinhoo!!!

Olha eu nem sou boa de leituras mais parabéns pelo o posters que você colocou.
Bjsssss millll te adoroooooo

EFEITO SINGULAR disse...

Massa as dicas de leitura, Rick, alguns q citou até os li, como os de Khaled Hosseini, já "A Menina q Roubava Livros" parei de ler, mas é um livro interessante, contado por alguém q vc nem imagina (lá ela)...rs rs..."Quando Nietzsche Chorou" e "O Mundo de Sofia" - os tenho mas ainda ñ li...

Mas deixo aqui tb minha indicação: "O Menino do Pijama Listrado" (John Boyle), "Marley & Eu" (John Grogan), Fortaleza Digital (Dan Brown) e "O Carrasco do Amor" (Irvin D. Yalom).

Bjos Circulantes
;)

Biazinhaaaa!!! disse...

tem gente na linhaaaaaa

Biazinhaaaa!!! disse...

tem gente na linhaaaaa galerinhaaaaaaa

Biazinhaaaa!!! disse...

eu estou na linhaaa aki nao demorem lindossss