quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Gil abre o jogo no Circulando!


A cantora Gilmelândia foi a convidada especial do Circulando desta segunda-feira para falar dos motivos pelos quais não desfila por dois anos consecutivos no carnaval de Salvador, e do desafio de ancorar a transmissão da festa ao lado de Adriane Galisteu pela Band.

Gil falou da decepção de ter tido o seu carnaval cancelado no último instante em 2008 pelo seu ex-empresário, que, apesar de não trabalhar mais com ela, ainda possuía vínculos legais. Explicou que este ano foi diferente: ela optou por fazer a transmissão pela Band. O que não quer dizer que está parada com relação à carreira de cantora. Ela e a produtora Sunshine estão trabalhando a música "Dominado", enquanto "Rua" corre por fora até finalizarem o novo CD.

A cantora aproveitou para falar dos bastidores do processo que a levou à TV. Disse que o então diretor da TV Itapoan, Alexandre Raposo, que atualmente é o presidente da Rede Record, sempre quis investir nela para a TV, até que surgiu o convite para apresentar o Bom D+ substituindo Scheila Carvalho no dia do seu aniverário. Mais tarde, foi com a própria Scheila e outras pessoas de quem era fã, que Gilmelândia concorreu para assumir a apresentação do Viva a Noite no SBT. Segundo a cantora, a filha de Sílvio Santos identificou nela a verdade e a alegria espontâneas que são indispensáveis para a comunicação de entretenimento na TV.

Boa sorte, Gil! O Circulando está torcedo por você!

2 comentários:

Atanael do Carmo disse...

É tem pessoas que não entendem o que eu falei. Em momento algum quando da minha participação ao vivo no programa Circulando, quando comentei a respeito de que não estava tendo analogia com o trabalho externo e interno do Circulando. Quero deixar claro que o programa é muito bom, só está pecando em relação as músicas que estão sendo executadas em nível internacional. É aí que está a grande contradição quando essa fantástica apresentadora e repórter Érica Saraiva, sei que não é culpa dela. A mesma faz entrevistas externa e interna com artistas da terra, digo a baianada. Não é justo que temos um carnaval fantástico, em que milhares de pessoas vem admirar a nossa arte da música e a nossa cultura, e os empresários da comunicação radiofônica deixam de valorizar os nossos artistas, tudo em nome do chamado capitalismo. Onde fica a verdadeira ética empresarial? Como fica os nossos compositores e cantores brasileiros? A de se pensar que está ocorrendo uma verdadeira discriminação e ao mesmo tempo exploração músical. Gostaria se possível quando esses empresários viajassem para os Estados Unidos, ou a Europa, pesquisassem se alguma rádio desses países tocam músicas de cantores brasileiros? Acredito, com certeza que não. O que nós vemos é o chamado humilhação emigrante em que brasileiros formados em cursos tipo: Direito, administração, turismo, economia etc; se sujeitarem a por uns poucos dolares a trabalharem em função que os humilham em relação aos cursos que se formaram legalmente aqui no Brasil. Funções como, garçonete, entregador de pizza, mensageiro, ajudante de cozinha etc,.
Tenho certeza que esses artista internacionais não estão nem aí com o Brasil e tão pouco com o nosso povo. Temos na minha opinião de deixarmos de sermos bestas, valorizamos pessoas que não tem nada haver com nossa cultura, e ao mesmo tempo distratando quem nos dá alegria no dia-dia, que são nossas músicas de autores brasileiros. Não se trata de preconceito, é apenas sabermos que a indústria cultural, melhor dizendo a indústria músical manipulada está impondo de uma forma arbitrária os nossos gostos músicais, porque querem de qualquer forma enganarmos para que não entendamos o que as composições internacioanis estão dizendo. Na realidade a maioria da população não entende nada o que fala essas músicas de linguas inglesas, as pessoas, principalmente os baianos ficam nefelibatas, achando que estão nas boates e guetos na maior curtição. Na minha opinião isso tudo é ilusão. Madona, Britney Spears, Anne cheiradora de cocaina, etc; não estão nem aí conosco, só querem que o povo compre os disco delas, e irmos ao shows, e tire tudo de bom que nós temos pra oferecer, em relação a carinho, e afeto, e principalmente dinheiro.
Então acho que os empresários baianos deveriam valorizar mais os artistas da terra, dando como resposta: executando as músicas dos mesmos nas suas emissoras.
Nós queremos ouvir é: Chicletão, Ivetona, Voa dois, Negra Cor, Tonho Matéria, Gilmelândia, Tatau, Araketu, Netinho, Cheiro de Amor, Eva, etc. Porque nós povo pobre sabemos o que eles estão falando nas suas músicas, que é falar de amor e paz.
Ponto final.
Temos que deixar de ser bestas.
FUI!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Luciane disse...

E aí Galera do Circulando, nesse dia eu ri muito com a Gil e com VOCÊS, que fazem a alegria das minhas noites de 2ª, 4ª e 6ª.
Beijo pra vcs e continuem assim!
Lu Alcântara - Vera Cruz (Ilha de Itaparica)